Banco do Brasil facilita crédito para a Abertura da Colheita do Arroz

O Banco do Brasil adotará na Abertura Oficial da Colheita do Arroz a mesma política que é utilizada em eventos como a Expodireto Cotrijal para a concessão de crédito aos produtores que quiserem realizar negócios durante o evento na Estação Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado em Capão do Leão (RS), região de Pelotas (RS). A informação foi confirmada à Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) nesta terça-feira, dia 19 de fevereiro.

O presidente da entidade, Henrique Dornelles, explica que o objetivo do banco foi o de contribuir com o maior evento de Abertura de Colheita de grãos do Brasil e com o setor, que inspira cuidados neste momento de turbulência. “O Banco do Brasil adotará esta mesma política de comercialização como a redução de Taxa Flat e outros facilitadores para a Abertura Oficial da Colheita do Arroz”, destaca.

A Abertura Oficial da Colheita do Arroz tem o tema “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”. O evento conta com Patrocínio Premium do Irga e Ministério da Agricultura, correalização da Embrapa e realização da Federarroz. Informações sobre a programação podem ser obtidas em www.colheitadoarroz.com.br.

Soluções rendem homenagens na Abertura da Colheita do Arroz

Como todo ano, um dos momentos mais esperados da Abertura Oficial da Colheita do Arroz é a noite dos homenageados. Nesta 29ª edição do evento, organizado pela Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), serão realizadas distinções especiais com a reconhecida pá que é entregue anualmente à orizicultores que estão trabalhando em soluções para o setor em meio à crise que assola a produção arrozeira do Estado.

De acordo com o presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, este ano a entidade tomou uma iniciativa diferenciada pensando nos produtores porque acredita que está na mão dos mesmos a verdadeira e mais duradoura solução e intervenção que o mercado pode ter. “Estamos prestigiando de fato os produtores e algumas personalidades escolhidas que tem uma relação muito direta com a produção em função de dizer que o mercado é soberano e de fato não podemos esperar soluções mágicas do governo. Existem questões que ele pode resolver, mas a solução definitiva, duradoura e sustentável está nas mãos dos produtores”, salienta.

Dornelles reforça que os homenageados são nomes que tiveram a coragem de mudar de forma parcial ou total os seus negócios e que estão tendo sucesso em todo o Rio Grande do Sul e isto deve servir de exemplo aos demais. “Essa homenagem vem ao encontro do que a Federarroz vem defendendo que é a reconversão da lavoura de arroz, da monocultura para a policultura. Isso dará a ele a condição de escolher, conforme o desempenho ou perspectiva de várias atividades, ele optar pela que melhor representará um resultado para o seu negócio”, observa.

A 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz ocorre de 20 a 22 de fevereiro na Estação Terras Baixas, da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), na região de Pelotas (RS). O tema este ano é “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”. O evento conta com Patrocínio Premium do Irga e Ministério da Agricultura, correalização da Embrapa e realização da Federarroz. Informações sobre a programação podem ser obtidas em www.colheitadoarroz.com.br.

Confira os homenageados

Lavoura Nota 10 – Carlos Alberto Prestes Iribarrem
Lavoura Pioneira – Werner Arns
Homenagem Especial – João Antônio Rosa da Luz
Homenagem Especial – Miguel Guedes
Homenagem Especial – Eder Leomar dos Santos
Técnico Estadual – André Barros Matos
Técnico Federal – Júlio José Centeno da Silva
Inovação – Indústria Bastiani
Competitividade – Frederico Bergamaschi Costa
Mercado Externo – Pércio Machado Greco
Amigo da Lavoura – João Alberto Dutra Silveira
Pioneirismo – Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel (UfPel)
Homenagem Especial – Covatti Filho

Temáticas diversas compõem Fórum Mercadológico da Abertura da Colheita

Na próxima quinta-feira, 21 de fevereiro, à tarde, a 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz vai abrir espaço para o Fórum Mercadológico. No auditório da Estação Terras Baixas, da Embrapa Clima Temperado em Capão do Leão (RS), região de Pelotas (RS), quatro painéis vão abordar as mais diversas temáticas para informar e atualizar os produtores das tendências de mercado, políticas e tecnológicas.

No primeiro painel, o engenheiro agrônomo e jornalista Donário Lopes de Almeida vai falar sobre Agricultura 4.0 e os impactos da digitalização no campo. Logo após, o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles, o diretor executivo do Sindicato das Indústrias de Arroz do Estado (Sindarroz), Tiago Barata, e um representante da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), vão debater o Panorama no período comercial. Logo após, o economista-chefe do Sistema Farsul, Antônio da Luz, aborda a Economia do arroz. Finalizando o fórum, o ex-jogador de futebol Paulo César Tinga, que hoje atua como empreendedor, apresenta a palestra Gestão dinâmica no campo.

Conforme Dornelles, o fórum vai explorar diversos temas com uma amplitude e diversificação de assuntos abordados, desde os aspectos de vanguarda da era digital e vai até a parte motivacional devido às grandes dificuldades que o setor vem enfrentando ora por problemas de preços, ora por problemas climáticos. “Essa abordagem motivacional tem por sentido de adoção de novas posturas para enfrentamento das crises. Não faltarão também os aspectos sobre a abordagem do governo, qual a leitura dos novos planos agrícolas, da economia, para que o produtor não seja pego de surpresa por futuras tendências de futuros programas”, destaca, referindo-se à palestra da Economia do arroz.

Além disso, de acordo com o presidente da Federarroz, serão abordadas as dificuldades do governo de intervenção no mercado em virtude da crise fiscal. “Não faltará o debate bastante simples e objetivo sobre o que ocorreu no último ano de comercialização, quais as tendências e o que tem se perpetuado nas nuances comerciais do arroz. Isso vai ajudar os produtores a se qualificarem para um novo ano que já se iniciou desafiador”, observa.

A Abertura Oficial da Colheita será realizada de 20 a 22 de fevereiro com o tema “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”. O evento conta com Patrocínio Premium do Irga e Ministério da Agricultura, correalização da Embrapa e realização da Federarroz. Informações sobre a programação podem ser obtidas em www.colheitadoarroz.com.br.

Diversificação será tema do Fórum Técnico na Abertura da Colheita do Arroz

A 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz contará com três painéis no Fórum Técnico a ser realizado no próximo dia 20 de fevereiro. Os painéis ocorrerão na parte da tarde com os temas: “O arroz irrigado na metade sul do Rio Grande do Sul e a necessidade de diversificar”, “Segredos e Particularidades do Plantio na Várzea e “Diversificação com Pecuária”. Também será lançada a cultivar de arroz da Embrapa BRS Pampa CL, pelo pesquisador da Embrapa Ariano de Magalhães Junior.

No primeiro painel que vai tratar do arroz irrigado e terá como moderador o produtor rural Gustavo Lara, o coordenador técnico do Projeto 10+, Luciano Carmona, vai falar sobre a contribuição do projeto para a rentabilidade do arroz no Estado. Já o engenheiro agrônomo e pesquisador da Embrapa Clima Temperado, Giovani Theisen, falará sobre as “Prioridades para atingir a estabilidade produtiva de soja em terras baixas.

No segundo painel sobre plantio na várzea, o tema será abordado pelo vice-presidente de Vendas e Marketing AGCO, Werner Santos, o gerente divisional de Vendas da John Deere, Eduardo Martini, o vice-presidente da New Holland, Rafael Manfroi Miotto, e o engenheiro agrônomo da Porteira Adentro, Enio Krunt Junior. A moderação será feita pelo diretor de Produção da Formosa Agropecuária, Alberto Giulliani Neto.

O Fórum Técnico se encerrará com o painel de Diversificação Pecuária, no qual o engenheiro agrônomo e pesquisador da Embrapa Clima Temperado, Jamir Silva, falará sobre “Integração Lavoura e Pecuária, desafio que já é realidade”. Segundo ele, a palestra irá abordar a importância e necessidade da participação do animal nos sistemas integrados de produção na terras baixas, assim como os aspectos econômico, técnico e ambiental. “O animal é o único agente que catalisa o processo de incorporação de nutrientes ao solo e aumenta a atividade da matéria orgânica desses ambientes. Ele devolve muito dessa matéria orgânica, muito desse carbono, na forma de fezes e urina, e isso acelera o processo de melhoria da atividade microbiológica, tornando o processo mais qualificado e diminuindo a emissão dos gases de efeito estufa”, explica.

O pesquisador vai salientar também o papel do manejo a ser utilizado neste pastejo, que é o ponto chave, ou seja, os animais tem que ser utilizados, mas com cargas ajustadas. “Não podemos trabalhar com cargas altas onde irá utilizar muito da forragem produzida e deixar pouca matéria orgânica. Então o ponto da carga animal, o ponto do ajuste da lotação em função da capacidade de suporte da pastagem, é uma ferramenta necessária para que esse ambiente tenha uma produção e uma boa sustentabilidade”, afirma.

O outro ponto que será destacado é que o animal é o componente que menos retira nutrientes do sistema, pelo contrário, devolve até 90% dos nutrientes que ingere, acelerando todo o processo de ativação da atividade da matéria orgânica. Silva colocará ainda a importância da adubação do sistema. “Hoje a pesquisa mostra que os nutrientes devem entrar no sistema na fase da pastagem e reduzir as adubações na fase da agricultura, tanto na fase de soja, arroz ou milho. A adubação via pastagens vai permitir por meio do uso do animal que sobre nutriente para as culturas que vêm na sequência, ao contrário do que era pensado de que as lavouras deixavam nutrientes para a pecuária. Então, nesse sentido, vamos procurar mostrar a importância do animal para a realidade ambiental e técnica, assim como melhor retorno econômico aos produtores”, ressalta.

O terceiro painel contará também com palestra do engenheiro agrônomo da Empresa Pastos, Giovanni Fernandes, sobre “As forrageiras a serviço da sustentabilidade dos sistemas produtivos de arroz”. O moderador será Dirceu Agostinetto, diretor da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel).

A Abertura Oficial da Colheita será realizada de 20 a 22 de fevereiro, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão, na região de Pelotas, com o tema “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”. O evento conta com Patrocínio Premium do Irga e Ministério da Agricultura, correalização da Embrapa e realização da Federarroz. Informações sobre a programação podem ser obtidas em www.colheitadoarroz.com.br.

Programação paralela destaca desafios na cadeia produtiva do arroz

A 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz que será realizada de 20 a 22 de fevereiro, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), na região de Pelotas (RS), vai contar com uma intensa programação composta por fóruns técnico e de mercado, além de palestras, oficinas, vitrines tecnológicas, feiras e dinâmicas de equipamentos. O evento deste ano tem como tema “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”.

O ano de 2019 será de grandes desafios na cadeia produtiva do arroz devido aos graves problemas pelos quais o setor atravessa e também porque estará na pauta a reforma tributária. A afirmação é do presidente da Câmara Setorial Nacional do Arroz, Daire Coutinho. No próximo dia 20, a Câmara vai se reunir durante a Abertura Oficial da Colheita do Arroz para debater as demandas do setor produtivo. Segundo Coutinho, o setor precisa de algumas decisões tributárias pois vem sofrendo com a entrada de arroz importado do Mercosul, principalmente o setor produtivo. “Entendo que não existe cadeia produtiva forte sem que os elos tenham força. Então a manutenção da qualidade econômica de todos os elos da cadeia é muito importante. E o setor produtivo passando por esta crise é motivo de enfraquecimento da cadeia como um todo”, afirma.

Coutinho sinaliza que também uma das discussões importantes durante a reunião será a questão do quadro de oferta e demanda em razão dos prejuízos que aconteceram na lavoura com os eventos climáticos. Salienta que a Câmara Setorial Nacional do Arroz realizou um trabalho anteriormente mostrando quais eram os pontos principais a serem discutidos e a previsão é de que nesta reunião sejam fechadas todas as demandas da cadeia produtiva junto ao novo governo. “Como tem acontecido nos últimos anos, deveremos ter uma acalorada discussão a respeito de todas as necessidades do setor produtivo, com a presença de todos os membros da Câmara Setorial. Já temos algumas confirmações de participação tanto do setor produtivo como do setor industrial do Centro do país. Portanto, será o momento e o lugar de discutirmos todas as questões que envolvem a lavoura de arroz, indústria e comercialização”, informa.

As novas tecnologias também estarão presentes na Abertura Oficial da Colheita do Arroz. Nos dias 20 e 21 de fevereiro será realizada palestra na Carreta da Farsul com o tema: Startups conectando produtores: Tecnologia de pulverização seletiva. O engenheiro elétrico e sócio da Eirene Solutions, Gabriel Borges, vai explicar como funciona um sistema de câmaras desenvolvido pela startup de Porto Alegre (RS), a ser instalado em pulverizadores terrestres. O sistema analisa o solo e quando é necessário ativa a pulverização. “No método atual de pulverização, por exemplo, é pulverizado 100% da área, tendo planta ou não. Com esse sistema de câmeras instalados em veículos pulverizadores, a pulverização ocorre somente onde tem planta. À medida em que o veículo se desloca os bicos de pulverização abrem ou fecham. As câmeras detectam o que é erva daninha, o que é cultivo e o que é solo”, explica.

Também nos dias 20 e 21, ocorrerá uma oficina de Produção de Alimentos à Base de Arroz e Derivados, com a nutricionista e instrutora de curso do Senar/RS, Marjana Teresinha de Mattos Favin. Ela irá abordar a importância do arroz na dieta humana. O arroz é um alimento saudável e completo, sendo uma das principais fontes de carboidratos, substâncias orgânicas que fornecem energia ao organismo, além de contribuírem para a restauração e o desenvolvimento dos tecidos. Conforme Marjana, o cereal é uma boa fonte de sais minerais e vitaminas, além de não conter colesterol e glúten, e ser rico em fibras. “Nas oficinas aproveitamos para divulgar a farinha de arroz e apresentar as receitas, permitindo que os participantes possam ver a elaboração das mesmas”,explica.

A programação paralela da 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz contará ainda com visita guiada no espaço da Embrapa intitulada Coleção de Plantas Forrageiras e Integração Lavoura Pecuária, palestra no stand do Irga sobre os Benefícios do Arroz para a Saúde e também um Seminário Técnico, Sindag na Estrada – Encontro da Aviação Agrícola, palestra sobre Projeções Climáticas para 2019/2020 com a Somar Meteorologia e Noite Irga & Simularroz, na Vitrine do Irga.

O evento conta com Patrocínio Premium do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, correalização da Embrapa e é uma realização da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz). A programação completa está no site www.colheitadoarroz.com.br

Empresas do setor prestigiam Abertura Oficial da Colheita do Arroz

As empresas participantes da Abertura Oficial da Colheita do Arroz, que ocorre de 20 a 22 de fevereiro na Estação Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), na região de Pelotas (RS), aproveitam os espaços para fazer a divulgação de novas tecnologias aos produtores. Com o tema “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”, os expositores levarão produtos e serviços para que os produtores possam ter acessos a informação, conhecimento, tecnologias e soluções para a lavoura.

Para o gerente de Marketing de Cultivos Arroz e Trigo da Basf, Vitor Bernardes, o evento da Abertura Oficial da Colheita do Arroz é a principal vitrine tecnológica do setor arrozeiro no país. “A Basf apoia e incentiva a realização do evento e acredita na sua importância para a difusão de conhecimento porque reúne grande número de agricultores e as principais lideranças do setor”, salienta, acrescentando que a empresa divulgará em Capão do Leão a segunda etapa da Campanha Contra Sementes Piratas, que alerta todos os elos da cadeia sobre os prejuízos causados para o setor em decorrência do uso de sementes não certificadas.

Segundo comunicado da John Deere, a Abertura Oficial da Colheita do Arroz já é um evento tradicional no calendário agrícola. Além disso, é uma excelente oportunidade de apresentar aos rizicultores, que sempre buscam alta tecnologia e desempenho para melhorar o manuseio da cultura, as novidades do setor. “A John Deere acredita que o evento é um importante espaço para apresentar soluções em maquinário e tecnologia, que garantem maior eficiência na operação dos seus clientes. A companhia possui uma longa e forte relação com o setor, com produtos que facilitam o dia a dia e colaboram para que os agricultores superem desafios próprios da cultura, como a limpeza e qualidade do grão”, ressalta.

Já o gerente de vendas da Massey Ferguson, Juan Latorre, reforça que a empresa vai marcar presença na Abertura Oficial da Colheita do Arroz com a colheitadeira híbrida MF 6690 com plataforma draper de 20 pés. Para o dirigente, as expectativas para o mercado arrozeiro em 2019 são muito positivas. “Temos o dólar em patamar favorável para exportação, e produção menor do cereal no Mercosul, refletindo em um futuro aumento do valor da commodity. A Massey Ferguson tem orgulho de poder oferecer as melhores soluções tecnológicas para o produtor rural que se dedica a essa importante cultura”, destaca.

E o gerente comercial da New Holland, Jefferson Kohler, explica que a empresa não poderia deixar de participar da Abertura Oficial da Colheita do Arroz, principal vitrine do setor no país, pois são os pioneiros na produção de máquinas agrícolas específicas para produtores do cereal e sempre traz inovações e soluções para os rizicultores. “Na última Expointer, a New Holland lançou a nova colheitadeira TC5090 Arroz, uma máquina que dispõe de um sistema híbrido de colheita. Para a próxima safra, preparamos novidades para o segmento de arroz, o que demonstra a preocupação da marca com o produtor e com o desenvolvimento da cultura no Brasil”, observa.

O evento conta com Patrocínio Premium do Instituto Rio Grandense do Arroz (irga) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, correalização da Embrapa e é uma realização da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz).

Produtores esperam abertura de novos mercados para o arroz em casca

A abertura de novos mercados para o arroz em casca e o maior custo histórico que a lavoura de arroz vem enfrentando foram alguns dos principais pontos abordados na coletiva de imprensa da 29ª Abertura Oficial da Colheita de Arroz, realizada nesta quarta-feira, 30 de janeiro, na sede do evento na Embrapa Terras Baixas, em Capão do Leão (RS), na região de Pelotas (RS). O vice-presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Alexandre Velho, destacou também as perdas nas lavouras de arroz em função das condições climáticas, chuva em excesso e baixa luminosidade.

De acordo com Velho, há uma expectativa de anúncio por parte do governo federal durante a Abertura da Colheita de ajuda aos produtores que tiveram prejuízos, especialmente em municípios das regiões da Campanha e Fronteira Oeste, responsáveis por mais de 40% da área plantada no Estado. “O excesso de chuva vai trazer um forte impacto na produção total no Rio Grande do Sul. A previsão inicial era de uma queda de 10% na produtividade, mas com o agravamento nas condições climáticas deve ocorrer um aumento neste percentual, chegando em alguns municípios, entre 15% e 20%, e diminuição de quase um milhão de toneladas na produção”, afirmou.

O dirigente colocou ainda que o setor possui várias demandas junto ao Ministério da Agricultura, como mecanismos de comercialização, recursos para pré-custeio e a revisão do acordo com o Mercosul. “A ministra da Agricultura, Teresa Cristina, já demonstrou intenção de mexer em questões estruturais como o Mercosul. Não existem cotas de entrada no Brasil do arroz oriundo dos países deste bloco econômico, o que traz prejuízos para a cadeia orizícola devido ao custo de produção menor do outro lado da fronteira”, salientou, lembrando que a Federarroz já está tratando com a Conab para rever o preço mínimo do arroz, atualmente em R$ 36,44. Demonstramos que o valor está defasado pelo menos em cerca de R$ 4,00 a R$ 5,00, podendo chegar em valores entre R$ 40,00 e R$ 42,00.

Velho também lembrou do trabalho que a Federarroz vem fazendo para a abertura de novos mercados para o arroz em casa, como Guatemala, México e África. “Há expectativa de uma viagem para o Quênia no final de fevereiro. O país africano tem interesse em comprar o nosso arroz ao invés de importar da Tailândia como vem ocorrendo”, sinalizou.

O vice-presidente da Federarroz disse ainda que muitas coisas podem ser feitas da porteira para dentro, buscando a diversificação como a integração lavoura pecuária e soja. “O produtor gasta 15% a menos quando volta com o arroz em cima da soja”, ressaltou.

Participaram também da coletiva de imprensa o chefe geral substituto da Embrapa Clima Temperado, José Dias Vianna Filho, o coordenador do Instituto Riograndense do Arroz (Irga) na Zona Sul, André Matos, e os prefeitos de Capão do Leão, Paulo Nolasco, e de Pelotas, Paula Mascarenhas.

A Abertura Oficial da Colheita do Arroz ocorre entre os próximos dias 20 e 22 de fevereiro com o tema Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada. O evento conta com Patrocínio Premium do Instituto Rio Grandense do Arroz (irga), correalização da Embrapa e é uma realização da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz).

Produtores organizam caravanas para a Abertura da Colheita do Arroz

Os produtores de arroz das mais diversas regiões do Rio Grande do Sul e Santa Catarina podem se organizar em caravanas para acompanhar a 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz, de 20 a 22 de fevereiro, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), na região de Pelotas (RS). As organizações interessadas poderão estar presentes e vão obter informações das possibilidades de apoio ao mercado pelo governo federal e opções de comercialização via exportação do arroz em casca.

O presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles, reforça que os participantes terão as condições para verificar como poderão estabelecer uma mudança significativa no negócio para instalar uma lavoura de soja de forma rentável e segura. Lembra que em 2018 a Federarroz fez denúncia em relação à confiabilidade das informações repassadas à Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) referentes ao preço pago ao produtor.. “Em determinado momento haverá a tradicional Câmara Setorial do Arroz que no ano passado teve polêmica pelo descompasso de informação de preço de operadores de mercado que prejudicaram uma agilidade na instalação dos mecanismos de comercialização”, recorda.

Além disso, conforme o coordenador das caravanas, Luís Antônio Valente, é importante que as lideranças de cada região arrozeira tenham a consciência da importância de estar representada na Abertura Oficial da Colheita do Arroz. “Lá no evento teremos as últimas tecnologias disponibilizadas no mercado para que os produtores possam analisar, trocar experiências, solucionar os problemas que a lavoura encontra hoje”, destaca.

Para Valente, o evento será uma oportunidade de buscar informações sobre os sistemas de produção integrada que visam ampliar a rentabilidade do produtor. “A lavoura de arroz precisa estar com outras atividades como a soja, que já é uma realidade, e a integração lavoura-pecuária, e que serão mostradas no evento. Estas são as referências deste sistema para cada produtor, obviamente cada um com a sua realidade. E na Abertura da Colheita vamos mostrar estes desafios da integração destes sistemas para gerar renda”, observa.

Um exemplo vem de Camaquã (RS). Os produtores e as entidades envolvidas no setor arrozeiro estão mobilizando os orizicultores para participar do evento. “A associação está organizando caravanas aos interessados em participar do evento, pois temos a oportunidade ímpar para buscar alternativas de diversificação, soluções para o nosso negócio e informações e conhecimento sobre variedades novas, de tecnologias, culturas, integração e oportunidade para discutirmos a realidade sócio-econômica da nossa lavoura”, afirma o diretor da Associação dos Arrozeiros de Camaquã, Celso Bartz.

As organizações interessadas em criar caravanas devem entrar em contato com a Federarroz, pelo telefone (51) 3211.0879. O evento deste ano tem como tema “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”. O evento conta com Patrocínio Premium do Instituto Rio Grandense do Arroz, correalização da Embrapa e é uma realização da Federarroz.

Empresas e entidades apresentam inovações para as lavouras gaúchas

A 29º Abertura Oficial da Colheita do Arroz terá como seu principal foco levar aos produtores informação, conhecimento, inovações e a permanente busca de soluções para as lavouras orizícolas do Rio Grande do Sul. O evento, que ocorre de 20 a 22 de fevereiro de 2019, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), próxima à Pelotas (RS), terá como tema “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”.

Neste sentido, as vitrines tecnológicas cumprem papel fundamental nesta difusão de tecnologias. Empresas e instituições vão levar aos produtores novidades para áreas de arroz, soja, milho e pastagens. Estarão expondo no espaço empresas como Basf, Corteva, Ihara, SuperN, FMC, RiceTec, Adama, Bayer, Delta Plastics, Syngenta, Spraytec, Pioneer, Total Biotecnologia, Sindag e Pastos, além de instituições como a Embrapa, Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) e Universidade Federal de Pelotas (UfPel).

Para o vice-presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Alexandre Velho, as vitrines tecnológicas serão uma grande oportunidade para o produtor na busca de soluções, inovação e, principalmente, de alternativas para um manejo adequado das culturas e uma consequente diminuição de custos em função da alta produtividade alcançada. “Nós não podemos perder esta oportunidade de uma verdadeira troca de experiência com vários produtores e olhar ao vivo o que as empresas estão desenvolvendo na busca de verdadeiras soluções para os manejos da lavoura”, analisa.

Responsável pela implantação das lavouras, o coordenador do Irga Zona Sul, André Matos, informa que as vitrines de arroz já estão no início do período reprodutivo. “Estamos fazendo as aplicações de proteção, com fungicidas e inseticidas, para proteger o potencial produtivo das vitrines, que estão excelentes, com desenvolvimento espetacular. E as vitrines de soja algumas mais precoces estão em um período reprodutivo e outras estão em estado vegetativo, com foco na proteção do potencial contra pragas e doenças”, detalha.

Matos reforça ainda que também está sendo realizado o preparo da infraestrutura da área das vitrines tecnológicas com a melhoria das estradas que percorrerão o local, além da adequação de drenos e bueiros. O evento conta com Patrocínio Premium do Irga, correalização da Embrapa e é uma realização da Federarroz.

Tecnologia ganha destaque na Abertura da Colheita do Arroz

A Abertura Oficial da Colheita do Arroz 2019 vai ter como destaque a inovação tecnológica com o objetivo de buscar alternativas que ajudem ao produtor a obter maior produtividade em suas lavouras. A Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz) destaca o trabalho desenvolvido na preparação deste que é o maior evento da América Latina, em busca de mais informação e alternativas para o setor. Um dos objetivos é unir o setor em busca de soluções. O presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, afirma que será o momento de colher inovação, tecnologia, diversificação e informação.

Entre as novidades a serem apresentadas nesta edição dentro das Vitrines Tecnológicas, estarão produtos desenvolvidos pela Embrapa e Instituto Riograndense do Arroz (Irga). O coordenador regional do Irga na Zona Sul, André Matos, junto com a equipe de extensionistas da instituição, está ajudando na organização do evento, e afirma que as Vitrines estão muito bem conduzidas. Informa que as de arroz já estão em estágio de diferenciação da panícula, estrutura que abriga as flores e posteriormente as espiguetas, e as de soja encontram-se todas semeadas e em pleno desenvolvimento. Lembra que o clima tem ajudado. “Estamos efetuando irrigação tanto no arroz como na soja, e com certeza apresentaremos vitrines excepcionais para os visitantes de toda a América Latina que irão participar da Abertura da Colheita do Arroz”, enfatiza.

Conforme o pesquisador da Embrapa, Giovani Theisen, como o tema será diversificação de culturas, foi criado um espaço adicional com tecnologias voltadas à integração lavoura-pecuária, onde serão mostradas uma coleção com nove diferentes espécies forrageiras de verão para os produtores que têm integração lavoura-pecuária ou atividade leiteira ou somente pecuária de corte. “São duas cultivares de capim elefante e outras forrageiras da classe dos panicuns. Um dos destaques é a BRS Estribo, que é um tipo de capim-sudão, que tem um período de pastejo bem superior ao milheto comum. Neste espaço será possível acompanhar o manejo de animais nestes tipos de forrageiras”, informa.

Theisen fala ainda que na parte do arroz serão mostradas as cultivares BRS Pampa CL, a Pampeira, e a BRS 701, que são os últimos materiais lançados pela Embrapa. Ressalta que também será apresentada uma cultivar de soja, a BRS 6203 RR, de ciclo médio e com uma boa capacidade produtiva. “Ainda dentro deste espaço da Embrapa, estaremos mostrando uma técnica de drenagem de solo com camaleões largos que possibilita fazer plantio direto naquelas áreas onde não entra o arroz, geralmente em áreas baixas que ficam encharcadas’, explica.

A 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz ocorrerá de 20 a 22 de fevereiro na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), com o tema “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”. O evento conta com Patrocínio Premium do Irga, correalização da Embrapa e é uma realização é da Federarroz.