Abertura da Colheita do arroz tem lançamento na Zona Sul do Estado

A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) realizou nesta sexta-feira, dia 11 de outubro, em Pelotas (RS), o lançamento para a região Sul da 30º Abertura Oficial da Colheita do Arroz. A cerimônia ocorrida na Associação Rural de Pelotas durante a 93ª edição da Expofeira do município contou com a presença de autoridades e representantes de entidades apoiadoras e empresas patrocinadoras.

A expectativa para o evento, que ocorrerá de 12 a 14 de fevereiro de 2020 na Embrapa Terras Baixas, em Capão do Leão (RS), com o tema “Intensificação para a Sustentabilidade”, é muito grande, de acordo com o vice-presidente da Federarroz, Roberto Fagundes, lembrando que o evento é a maior abertura de grãos do país e que na edição passada, com o apoio dos produtores e da comunidade da região, além das empresas e entidades participantes, mais de 7 mil pessoas passaram pelo local em três dias de evento, oportunizando troca de informações e conhecimento. Destacou também as novidades para 2020, como irrigação por pivô e parcelas de integração lavoura-pecuária. “Entendemos que temos que sair da monocultura produzindo outros grãos como soja, milho e também investir em armazenagem, florestamento e pecuária para nos dar maior sustentabilidade no nosso agronegócio. Estaremos com as principais empresas que investem em tecnologias e com as instituições de pesquisa e ensino, todas elas com agendas positivas para que possamos nos manter dentro do nosso sistema produtivo”, observou..

Estiveram presentes ao lançamento da 30ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz a prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas, além dos presidentes da Associação Rural, Carolina Osório, e do Sindicato Rural do município, Fernando Rechsteiner, assim como o presidente do Irga, Guinter Frantz, o chefe-geral da Embrapa Clima Temperado, Clenio Pillon, o vice-presidente da Farsul, Fábio Avancini, e o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Pelotas, Nilson Loeck, representando a Fetag/RS. O evento é uma realização da Federarroz com co-realização da Embrapa e apoio do Irga.

Abertura da Colheita do Arroz é lançada com demandas para o setor

Lançada no início da tarde desta segunda-feira, 26 de agosto, a 30ª Abertura Oficial da Colheita de Arroz e Grãos em Terras Baixas, que ocorrerá na Estação Terras Baixas, da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão, no Sul do Estado. O evento ocorrerá entre 12 e 14 de fevereiro de 2020. No vídeo de lançamento, a Federarroz destacou que 70% do arroz produzido no país é gaúcho. A atividade é responsável por 3% do ICMS gerado no Rio Grande do Sul. Dos 527 municípios gaúchos, 140 têm no arroz a principal atividade econômica. O arroz gera 20 mil empregos no Estado.

O presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Alexandre Velho, destacou que o setor tem a segunda maior produtividade do mundo, atrás dos Estados Unidos. O dirigente chamou a atenção para dificuldades enfrentadas pelo setor como custos altos e produtividade baixa. “A área de colheita sofre uma redução estimada de 14% no país e de 7% no Rio Grande do Sul, com baixa de 9 mil para 6 mil o número de unidades produtivas”, salientou. No entanto, Velho ressaltou que, mesmo assim, o Estado seguirá como protagonista na produção do arroz brasileiro devido ao clima.

O governador Eduardo Leite afirmou estar ciente da importância da pauta da competitividade para o Rio Grande do Sul. Destacou a privatização de estatais e a reforma da previdência do Estado como algumas das medidas necessárias para transferir recursos do Estado para o setor produtivo. Deu como exemplo o déficit da previdência do Estado que contabiliza um rombo de R$ 12 bilhões por ano. Por isso, conclamou apoio às reformas e reiterou compromisso com a cadeia produtiva do arroz.

Durante o evento, o setor do arroz recebeu uma boa notícia. O Banco do Brasil vai lançar uma linha de crédito especial de financiamento para a próxima safra, a partir da semana que vem. A exemplo do que já ocorre com outras commodities, o produtor poderá registrar o arroz também em bolsa, no mercado futuro. Com isso, ele garantirá o preço projetado quando chegar a época da colheita. O Banco do Brasil garantirá a diferença, caso o preço na colheita for menor do que o projetado.

Também participaram da abertura do 30ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz, entre outras autoridades, o presidente da Farsul, Gedeão Pereira, o secretário estadual da Agricultura, Covatti Filho, o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado Alceu Moreira (PMDB/RS) o presidente do Instituto Riograndense do Arroz (Irga), Guinter Frantz, o senador Luiz Carlos Henze (PP/RS), o presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, e o chefe-geral da Emprapa Clima Temperado, Clenio Pillon.

Abertura da Colheita do arroz tem lançamento na Zona Sul do Estado

A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) realizou na quarta-feira, dia 10 de outubro, em Pelotas (RS), o lançamento para a região Sul, da 29º Abertura Oficial da Colheita do Arroz. A cerimônia ocorrida na Associação Rural de Pelotas durante a 92ª edição da Expofeira do município contou com a presença de autoridades e representantes de entidades apoiadoras e empresas patrocinadoras.

A expectativa para o evento, que ocorrerá de 20 a 22 de fevereiro de 2019 na Embrapa Terras Baixas, em Capão do Leão (RS), com o tema “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”, é muito grande, de acordo com o vice-presidente da Federarroz, Alexandre Velho. Ele salientou que o evento busca cada vez mais apresentar tecnologias e maneiras de alcançar uma lavoura mais forte e produtiva com um custo menor. “Hoje, a forma de o produtor de arroz diminuir custos e aumentar a produtividade é pensar em outras culturas, agregando a soja e também a pecuária”, observou.

Velho destacou que a Abertura da Colheita do Arroz é o maior evento da cultura na América Latina. “A troca de experiências proporcionada é muito grande com a presença de produtores de cerca de dez Estados brasileiros, cinco países e uma visitação média nos três dias do evento de 5 mil pessoas. Por isso a escolha por Pelotas e Capão do Leão é muito importante pela tradição neste mercado”, afirmou.

Na programação constam 33 vitrines tecnológicas que fazem parte de um roteiro técnico a ser feito durante as três manhãs do evento, além dos Fóruns Técnico e Mercadológico. Velho também ressaltou a tradicional distinção com a Pá de Arroz que será entregue a 13 personalidades de destaque no cenário da orizicultura.

O vice-presidente da Federarroz abordou ainda a pauta já definida pelo setor que será negociada com o próximo governador do Estado. Garantiu que os produtores de arroz não abrirão mão de questões fundamentais para o sucesso da lavoura. Velho citou o fortalecimento do Instituto Riograndense do Arroz (Irga), defendendo o repasse da Taxa de Cooperação e Defesa da Orizicultura (CDO) para os produtores.

O dirigente também citou a importância em modernizar o Porto de Rio Grande por onde é feita a exportação do cereal, a qual regula todo o mercado. “Atualmente o Porto possui um sistema de carregamento arcaico, o que acaba onerando o produtor”, afirmou Velho, lembrando ainda a necessidade do desconto temporário do ICMS. “Esta necessidade foi comprovada na audiência pública realizada em Porto Alegre (RS) por meio de um estudo elaborado pela Farsul. As entidades estão alinhadas e não irão abrir mão de defender a lavoura de arroz”, concluiu.

Estiveram presentes ao lançamento da 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz os prefeitos de Pelotas, Paula Mascarenhas, e de Capão do Leão, Mauro Nolasco, além dos presidentes da Associação Rural, Carolina Osório, e do Sindicato Rural do município, Fernando Rechsteiner, assim com o presidente do Irga, Guinter Frantz. Também participaram o chefe de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Clima Temperado, Jair Nachtigal, e o diretor da Farsul, Francisco Schardong. O evento é uma realização da Federarroz com co-realização da Embrapa.

Diversificação será pauta da Abertura Oficial da Colheita do Arroz

O lançamento oficial da 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz foi realizado dia 27 de agosto, no espaço do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), na Expointer, em Esteio (RS). Em 2019, o evento ocorre de 20 a 22 de fevereiro, na Embrapa Terras Baixas, em Capão do Leão (RS). O município integra a região da zona sul gaúcha, onde são cultivados 170 mil hectares de arroz. O evento contou com a presença de representantes de entidades como Irga, Farsul, Fetag e Embrapa.

O evento, que comemora os 30 anos da Federação dos Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz), apresentará como destaque das temáticas “Matriz Produtiva: Atividade Diversificada, Renda Ampliada”. Com 33 vitrines tecnológicas, os orizicultores terão a oportunidade de obter informações como melhoria de produtividade e racionalização de custos na propriedade. A tradicional distinção com a Pá de Arroz será entregue a 13 personalidades de destaque no cenário da orizicultura.

O vice-presidente da Federarroz, Alexandre Velho, destacou que a cultura do arroz representa 2% do ICMs e da qual dependem mais de 130 municípios. Nesse sentido, o dirigente defendeu a manutenção do Irga, o repasse da Taxa de Cooperação e Defesa da Orizicultura (CDO) e a valorização dos técnicos da instituição. Alexandre Velho acredita que haverá uma redução de 10% na área da lavoura orizícola no Rio Grande do Sul. Para ele, a próxima safra deve ficar entre 7,5 e 8 milhões de toneladas.

Em relação ao ICMS, Velho afirma que a guerra fiscal aumenta a importação do Mercosul. “Deixamos de vender para outros Estados e esse espaço, que era para ser do Rio Grande do Sul, acaba sendo ocupado por outros e pelo Mercosul”, destacou. Na questão da renegociação das dívidas agrícolas, O dirigente disse que cada produtor deve procurar a sua agência bancária. “Essa remuneração do BNDES envolve uma taxa maior e pode ocasionar um problema ainda mais grave”, destacou. O vice-presidente da Federarroz ainda reivindicou uma igualdade de competitividade em relação às leis ambientais. “Existe uma cobrança muito grande em relação às investigações de produtos”, avaliou. “Os lavoureiros importam produtos que não temos autorização para usar aqui no Brasil.

A Abertura Oficial da Colheita do Arroz é uma realização da Federarroz com apoio da Embrapa e do Irga.